A era digital chega às palestras

by admin on November 19, 2015, 12:33 pm

Armando Levy (*)

Consultorias globais como Deloitte, PwC e Accenture, por exemplo, sabem que palestras presenciais são o melhor canal de vendas dos serviços dessas empresas. De modo geral, estas organizações produzem palestras informativas, que são ministradas por seus consultores, em diversos lugares do Brasil. A organização dessas palestras segue um ritual bem definido: as empresas agendam o evento, alugam a sala, reservam o coffee brake, alugam projetores, publicam a informação sobre a palestra no site e nas redes sociais, disparam o e-mail marketing, recebem as confirmações de presença e se preparam para o evento. É normal que, no dia do evento, alguns dos participantes façam contato com o palestrante e troquem cartões. Mas, além desses contatos quentes, as consultorias contatam todas as pessoas inscritas no evento e oferecem uma visita para falar de produtos e serviços, inclusive aquelas que não deram as caras.

Os problemas com eventos presenciais como estes são sempre os mesmos: as pessoas confirmam, mas muitas não aparecem. Além disso, se no dia da palestra caiu aquela chuva, teve jogo do Corinthians, ou os ônibus estavam em greve, todos esses acontecimentos afetam a audiência da palestra, uma vez que ela acontece em determinado dia e hora.Recentemente, temos visto uma paulatina migração de eventos presenciais para a web. Mas muitas empresas pecam ao buscar replicar na Internet o mesmo formato de uma palestra presencial. Isso porque a palestra virtual é apenas uma transmissão ao vivo de evento presencial e, portanto, acaba acontecendo em determinado local e em determinada hora. Este tipo de prática sub-aproveita o potencial da Internet, limitando as audiências pelo simples fato de que nem todos podem assistir a palestra ao vivo.

Mas, progressivamente, o mercado vai compreender a importância da palestra virtual pré-gravada, que fica à disposição dos usuários para ser assistida quando a pessoa quiser, de onde quiser. Nesse sentido, os sites de filmes como Netflix e HBO GO, por exemplo, têm muito a nos ensinar, uma vez que o acesso aos filmes se dá quando a pessoa deseja e não quando o canal decide transmiti-los.

Mas como gerar a informação crucial para as consultorias de que determinada pessoa assistiu determinada palestra? Essa é a parte mais fácil do processo, exatamente em função da tecnologia que temos hoje. As palestras virtuais criadas sob demanda, como produtos de Internet, são mais eficientes, uma vez que integram, com eficiência, duas informações que se complementam: o vídeo do palestrante com os slides de sua apresentação. Não podemos nos esquecer de que é por meio da soma destas informações que os melhores professores e consultores difundem conhecimento de qualidade. Por isso, vídeos onde apenas o palestrante fala são insuficientes, uma vez que não são complementados por informações que ajudem a compreender o tema exposto.

Os webinars on demand, produzidos exclusivamente para a Internet, e que podem ser acessados quando o usuário quiser, de onde quiser e como quiser (celular, tablet ou computador) estão chegando e vão revolucionar o modo como as empresas de conhecimento (consultorias, faculdades, associações e fundações) divulgam informações. Veja abaixo um exemplo de palestra virtual que está sendo apresentada no LinkEDU.

 

Contratação de mão de obra na área de TI

 

(*) Armando Levy é jornalista, professor de cultura e comunicação orgnaizacional e autor dos livros "Propaganda: a arte de gerar descrédito", lançado pela Editora da FGV, e "Os abutres e a Varig", lançado pela e-Press e à venda na Amazon. Também é diretor da Future Press, empresa que criou o LinkEDU.